11 de setembro de 2010

Presente de Fim de Ano

Tento me definir nas pálidas paredes brancas que me cercam. São 22h09, uma noite de sexta feira do dia 10 de setembro de 2010. Uma estranha sensação toma conta deste reciclável corpo. Há um silêncio nessa hora, nada acontece. Espero meu telefone tocar, e nada. Pego a garrafa de café( que acabei de passar) e a levo para meu quarto, entre papéis e livros, vou me embriagando-me.
Assim a noite segue seu percurso e desta vez faço a releitura de alguns poemas já feitos anteriormente. Releio também alguns livros "Barulhos" e "Vertigem do Dia" do poeta Ferreira Gullar. Descobri também recentemente a obra poética de Dylan Thomas, recomendo a quem interessar.
Quando pego no sono já são mais de 3h da manhã, depois de mais uma xícara de café. Neste intervalo aproveito para trocar mensagens( SMS) com um amigo que perdemos o contato pelas minhas contas há uns 20 anos por aí. Foi ótimo este reencontro que surgiu por acaso. Sempre a supresa que a vida nos proporciona. Um ótimo presente de final de ano.

2 comentários:

Pablo Furii disse...

Você continua a mesma mágica de sempre.
Máh, menina.
Bem que eu vi que aquele teu sorriso tímido escondia um ser iluminado, lotado de graça.
25 anos antes.
Máh, mulher.
Que bom, que presente ganhei ao lhe reencontrar assim, tão cheia de luz.
Bora seguir espiando as estrelas.
Bjo bjo bjo

Manoel disse...

Mah Luporini, a nova cara da poesia marginal. Admiro muito seu trabalho, parabens pelo talento, bjs!