5 de outubro de 2012

Liberdade de Expressão, cadê você?




Pensava que a censura tivesse acabado, puro engano. Faço da arte a minha sobrevivência diária. A palavra ‘liberdade de expressão’ é uma utopia que paira na Constituição Brasileira, nada mais, além disso. Pela quarta vez fui bloqueada pela rede social ‘facebook’ e o que mais me espanta é que todas as vezes que houve bloqueio foram por causa de publicar gravuras, fotografias de pinturas mostrando o nu artístico como do pinto belga Paul Delvaux (1897) e do fotográfico britânico David Hamilton, década de 70. Há um moralismo por destrás das cortinas do poder. E prossigo em dizer que tais pessoas se passam por ‘artistas’, entram naquela ‘ah, tenho a cabeça aberta’. Não tem. Só faz tipo para ganhar status. Odeio hipocrisia. Confundem o nu artístico com pornografia, são uns imbecis intelectuais. A censura, caro leitor continua ativa. Vestem-se de santos com seus véus de caridade, chegam como não quer nada e te atacam pelas costas.  Cansei dessas denúncias, pensei que estivesse em um país onde a liberdade de expressão reinasse me enganei.  Aos moralistas de plantão estudem antes o nu para saber diferenciar o que é arte de pornografia. Ou, por acaso, você nasceu vestido quando veio ao mundo?  Não me venham com mensagens ‘terroristas’ pois não me assustam. Continuarei a fazer valer a liberdade de expressão. A rede social facebook anda na contramão dos fatos, se diz uma ‘rede livre para expressar, te perguntando: ‘No que você está pensando’? E o usuário publica alguma imagem ou texto que fere as violações de direitos do Facebook e simplesmente, te excluem. Recentemente o Facebook e União Americana de Liberdades Civis se uniram contra a decisão de um juiz americano que determinou que clicar no botão "Curtir" da rede social não pode ser considerado liberdade de expressão, e por isso não está protegido pela Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos. A decisão do juiz se deu sobre a demissão de seis funcionários do escritório do xerife da Virgínia, por terem "curtido" a página do seu rival para o posto. Os trabalhadores entraram na Justiça para recorrer da demissão, alegando que pressionar o ícone "Curtir" é uma forma de liberdade de expressão, amparada pela Constituição americana. (fonte: jornal El País). Vários fatos ocorrem, esse é apenas um deles. Não há fundamento para tal punição.    







Um comentário:

Marcio calixto disse...

Querida Máh.O medo é intrínseco a ignorância e como diz o Blake,'A benção relaxa".Maldição é elogio,só faz crescer a vontade de transfigurar,de desmascarar o que tingem como cores da realidade.Paul Delvaux,é sublime,surrealisticamente falando e nem todos conseguem atingir tal estado de devaneio artístico.